A Logística Reversa do Setor de Papel e Celulose


No final da cadeia produtiva, encontra-se o mercado consumidor, responsável pelo descarte do produto já utilizado, o que pode se dar de maneira ambientalmente correta, ou seja, realizando a separação correta do lixo e destinando-o para a coleta seletiva, ou de maneira ambientalmente inadequada, quando a embalagem de papel/papelão é descartada junto com o lixo orgânico, inviabilizando sua reciclagem.
Após o descarte feito pelo consumidor final, o ciclo reverso do papel é viabilizado através da atuação de catadores de material reciclado e do aparista de papel, que irão retornar o papel usado a outros ciclos produtivos, promovendo a reciclagem.





VOCÊ SABIA?

O papel, papelão ou quaisquer de seus produtos derivados, quando corretamente descartados, coletados, separados, classificados e beneficiados, são importantes matérias primas para as indústrias recicladoras.


De acordo com a Associação Nacional dos Aparistas (ANAP), no cenário nacional, o Paraná é o 3° maior Estado reciclador, detendo 20,88% de empresas recicladoras de papel e papelão, e configurando-se como um Estado que consome mais aparas do que gera, pois suas 38 indústrias recicladoras consomem em torno de 600 mil toneladas por ano, enquanto a geração dentro do Estado está em torno de 350 mil toneladas/ano (ANAP, 2015).


Os produtos industrializados por esta cadeia são destinados tanto ao mercado interno quanto ao mercado externo. No entanto, apesar de todo o potencial do setor para a reciclagem, o papel não pode ser reciclado infinitas vezes, pois suas fibras perdem a resistência, sendo sempre necessário o cultivo de florestas plantadas para fins industriais, sua principal matéria prima.




voltar


Facebook Sinpacel Instagram Sinpacel Youtube Sinpacel